O que há de estranho em mim - Resenha

Bom dia, boa tarde, boa noite!
 Antes de começar, só queria escrever para vocês que, a sororidade é tão grande nesse livro, que me senti uma inútil.

Venham comigo!


Nome: O que há de estranho em mim

Autora: Gayle Forman

Gênero: Drama / Romance

Editora: Arqueiro 

Páginas: 214


"A primavera já vai chegar e os vaga-lumes não tardarão a aparecer." pág. 97

"Era como se a música me curasse, trazendo de volta a pessoa que eu era, a minha autoconfiança, lembrando que os seis meses anteriores eram apenas uma exceção." pág. 108

"A única coisa que devemos temer é o próprio medo." pág. 178


Ao internar a filha numa clínica, o pai de Brit acredita que está ajudando a menina, mas na verdade, é que o lugar só lhe faz mal. Aos 16 anos, ela se vê diante de um duvidoso método de terapia, que inclui xingar as outras jovens e dedurar as infrações alheias para ganhar a liberdade.

Sem saber em quem confiar e determinada a não cooperar com os conselheiros, Brit se isola. Mas não fica sozinha por muito tempo. Logo outras garotas se unem a ela na resistência àquele modo de vida hostil. V, Bebe, Martha e Cassie se tornam seu oásis em meio ao deserto de opressão.

Juntas, as cincos amigas vão em busca de uma forma de desafiar o sistema, mostrar ao mundo que não têm nada de desajustadas e dar fim ao suplício de viver numa instituição que as enlouquece.


Brit é uma garota normal, guitarrista de uma banda chamada "Cloud" e apaixonada por Jed, seu amigo e integrante da banda. 

Seu pai, casado com sua madrasta que ela apelidou de "Monstra", mudou totalmente de personalidade. Antes de sua mãe, que simplesmente sumiu após surto (ela é esquizofrênica), ele era liberal e tranquilo. Como o relacionamento com seu pai ficou estranho e por não se dá bem com a madrasta, Brit passa a maior parte da sua vida com a galera da banda e fazendo shows. Estava tudo indo bem, até o dia que seu pai, decide interná-la em um colégio chamado Red rock.

O que os pais e a própria Brit não sabiam é que Red rock não "ajeita" adolescentes nenhum, os tratamentos que as jovens recebem é abusivo. Brit foi diagnosticada com " transtorno desafiador opositivo" , nas línguas dos pais, rebelde. 

Sem entender o porquê o pai, quem ela mais amava, a colocou ali, ela procura um conforto nas meninas que fez amizade e nas cartas que recebe de Jed. Um sentimento de justiça cresce em Brit e ela decide de uma vez por toda acabar com a Red rock.


Um livro que me fez pensar bastante nas atitudes que alguns pais acabam tomando diante dos filhos e nos faz entender também, por que os filhos acabam sendo "rebelde". 

Além dessa relação de pais e filhos, Forman nos mostra a sororidade entre amigas. De uma ajudar a outra, defender, apoiar, chorar junto.  A força feminina está bem presente nesse livro e que a rivalidade pode sim ser combatida. 

Gayle Forman escreveu essa história baseada em alguns reformatórios e jovens que entrevistou quando ainda era jornalista. Deixarei abaixo a nota dela que me emocionou e acredito que esse foi o propósito do livro.

"Nota da autora

Quando trabalhei na revista Seventeen, escrevi uma matéria sobre reformatório comportamentais, lugares não tão rígido quanto a Red Rock do livro, mas que, infelizmente, tinham muitos pontos em comum com ela. Na época, conversei com um sem-número de adolescentes que haviam passado por instituições semelhantes. Alguns foram levados no meio da noite por "acompanhantes" desconhecidos; outros tinha sido ludibriados pelos próprios pais bem-vindo intencionados.

Também entrevistei diversos pais e mães que acreditavam piamente estar ajudando seus filhos, mas que haviam mudado de ideia tão logo descobriram o que se passava de verdade nesses lugares, por intermédio dos próprios filhos, da mídia ou de alguma investigação policial.

O que me deixou triste, e o que me fez escrever este livro - uma obra de ficção-, é o fato de que muitos desses jovens precisavam mesmo de ajuda. Alguns haviam se envolvido com drogas, outros vinham tendo problemas na escola, outros tinham algum tipo de distúrbio alimentar ou sofriam de depressão. Mas o objetivo dos profissionais desses reformatórios parecia ser apenas vencer os internados pela força e pela punição constante. E, na verdade, o que esses jovens precisavam era de alguém que os compreendesse, lhes desse carinho e os amparasse num processo de reconstrução. Necessitavam da ajuda de profissionais devidamente qualificados. Isso sim, poderia ser chamada de 'terapia'.

Há momentos na vida em que ter alguém que nos ouça pode ser de grande valia. De modo geral, os terapeutas são profissionais que desejam o nosso bem, querem nos ver felizes e saudáveis. É uma pena que ainda existam instituições tão equivocadas quanto a Red Rock da história, mas por sorte elas são a exceção, e não a regra."





Comentários

  1. Ainda não conhecia esse livro, gostei bastante da sua resenha :D

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feliz por ter conhecido através de mim. Obrigada!

      Excluir
  2. Oiii
    Eu pensei em ler esse livro algumas vezes, mas ainda não bateu aquela vontade. Eu tentei ler um outro livro da autora, mas não rolou e fiquei com receio. Um dia quem sabe não leio?
    Beijos.

    Blog: fanficcao.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dá uma chance para esse livro, garanto que não vai se arrepender.

      Excluir
  3. Ei! Tudo bem?

    Sempre olhei esse livro e tive uma pontinha de desejo de ler, isso porque eu sempre gostei dessa temática com clínicas e tals. A história, não sei como, não consegue me puxar a leitura, mas espero ter a oportunidade de ler sim, principalmente pelo assunto. Senti suas emoções na resenha, acabei tendo uma vontade maior de ler, tudo graças à você rsrs Parabéns pela resenha :)

    Beijos!
    http://www.as365coresdouniverso.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz por poder transmitir isso para você. Quando ler, me conta o que achou.

      Excluir
  4. Adoro quando os livros tem essa bagagem real, principalmente quando o autor deixa isso bem claro nas notas, torna tudo mais real e nos ensina ainda mais!
    Com certeza é um livro que lerei aasim que puder!

    osenhordoslivrosblog.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. Eu senti o que a personagem e o que autora quis passar. Foi uma leitura marcante.

      Excluir
  5. Oii, adorei a sua resenha! Gosto quando os livros trazem esse toque de realidade, e nos fazem refletir !
    Comprei esse livro a algum tempo pra presentear uma amiga, e quando li a sinopse fiquei tentada a ler.
    Nunca li nada da autora, mais sua resenha me deixou bem curiosa.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi um ótimo presente que você deu para a sua amiga. Eu refletir bastante com esse livro, me fez pensar mais nas criações dos filhos e de como eles são incompreensível,

      Excluir
  6. Olá, tudo bom?
    Eu tinha visto uma critica negativa sobre esse livro, mas não sabia sobre o que se tratava. Gostei bastante da premissa, parece uma história um pouco triste. Apesar disso, quero ler a obra. Gosto da escrita da autora.

    Beijos, Ally.
    https://amorliterarioblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não entendo o porquê das críticas negativas. Li também. Acho que esses leitores não olharam pelo mesmo olhar que a autora.

      Excluir
  7. Oiee
    Uau, adorei a premissa do livro. Ainda não tinha parado pra ler sobre o que se trata. Legal saber que tem essa questão do relacionamento entre pais e filhos, é um tema muito importante. Já quero ler. Amei sua resenha, que bom que curtiu a leitura.
    Bjos, Bya! 💋

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito importante mesmo e deveria ser debatido. Curtir mesmo, obrigada!

      Excluir
  8. Nossa que interessante, não fazia a minima ideia do que se tratava se tratava o livro, sempre tive curiosidade, mas tanto via criticas positivas quanto negativas. Adoro livros que falam sobre essa relação dos pais e filhos, me faZ refletir bastante. Enfim, adorei sua resenha, me cativou. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que se interessou, a história é ótima e a escrita dela também.

      Excluir
  9. Olá!!Eu sou muito suspeita para falar dá Gayle porque amo os livros dela. Esse livro eu li em um dia, ou melhor em 9 horas e até agora não sei como consegui fazer essa façanha! A escrita é muito fluída e é impossível não se envolver com as personagens. Adoro os destaques para amizade e família que a autora sempre traz em seus livros. Fico feliz que gostou da obra.

    Beijinhos!

    Camila
    Http://leiturize-se.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi exatamente isso que senti ao ler. Li rápido e tive uma pequena ressaca, mas não durou muito. hahaha

      Excluir
  10. Olá! Eu já li dois livros da autora, mas com um tema mais leve. Não curto muito histórias mais pesadas como essa parece ser, porém ele parece trazer uma mensagem especial de reflexão, né?

    Um beijo, Pri 😘

    Por Amor aos Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A história não chega a ser muito pesada, pois tem o toque de romance. Dá uma chance, quem sabe muda de opinião.

      Excluir

Postar um comentário